Loading...
Mídia

ALMIR CHEDIAK – UMA ALMA MUSICAL

Uma das maiores contribuições musicais feitas para a nossa MPB foi idealizada e realizada pelo saudoso violonista, compositor e produtor cultural Almir Chediak, conhecido como o maior “mapeador” da MPB.

Um homem que estava à frente de seu tempo e, mesmo com uma passagem rápida por esta vida, deixou um legado que não tem preço e poderá ser desfrutado por várias gerações.

Ele na verdade queria ser um concertista de música clássica e seu grande ídolo era o violonista Turíbio Santos. Sempre foi um apaixonado pela música.

Muitos não sabem, mas ele deu aulas de harmonia musical para vários artistas, como Gal Costa, Nara Leão, Carlos Lyra, Tim Maia, entre outros, sendo muito requisitado e respeitado no meio musical.

De uma forma totalmente autodidata começou a pesquisar profundamente a música popular brasileira, criando uma forma sistemática de apresentação dos acordes, dissonâncias e harmonias.

Ajudou muito os músicos profissionais e os amadores, cifrando as músicas dos nossos maiores compositores. Trabalho único de pesquisa e de reconstituição musical.

Se tornou o “Mestre dos Songbooks”, quando já pela sua Lumiar Discos & Editora, fundada em 1987, revolucionou o mercado. As obras musicais dos maiores nomes da MPB foram apresentadas em livros: Caetano Veloso, Tom Jobim, Gilberto Gil, Chico Buarque, Djavan, Noel Rosa, Cazuza, Bossa Nova. Todos revisitados com muita competência, organização e paciência.

Outro grande feito, foi o lançamento dos “songbooks” no formato de CD, verdadeiras obras primas, pelo seu absurdo conteúdo e por reunir uma centena de músicos e intérpretes de uma forma única e rara: Noel Rosa, Ary Barroso, Carlos Lyra, Tom Jobim, Chico Buarque, Djavan, Dorival Caymmi, Edu Lobo, Marcos Valle, João Donato, Vinicius de Moraes, João Bosco entre outros. Gravações intensas e exclusivas que foram apresentadas com novos arranjos e interpretadas pelos nossos maiores artistas. Encontros inusitados e muito marcantes deram o toque especial aos discos. Registros que só poderiam ter sido feitos por esta grande alma musical. Muito obrigado, Almir Chediak por deixar a música mais simples e didática.


Landau Eugene Murphy Jr. – “That’s Life”

Aqui destaco mais um grande exemplo de que a música tem o raro poder de transformar a vida das pessoas.
E a música foi responsável pela transformação completa e radical da vida do cantor Landau Eugene Murphy Jr., ganhador da edição do ano de 2011, do programa americano da Rede de TV NBC “America’s Got Talent”, que revela novos talentos para a música.
Antes de vencer o concurso, ele trabalhava como lavador de carros, quando resolveu se inscrever para uma das seletivas do programa e desde a sua primeira apresentação, surpreendeu a todos pelo seu grande potencial vocal e pelo belo repertório escolhido.
Curiosamente em todas as etapas do programa, ele apresentou “standards” do Jazz, homenageando seus grandes ídolos Frank Sinatra, Dean Martin e Sammy Davis Jr, que inegavelmente fazem parte das suas maiores influências musicais.
Depois de vencer o programa, ele realizou o grande sonho de gravar o primeiro CD da carreira com 11 faixas pelo selo Columbia, que contou com a produção de Steve Tyrell, um dos maiores cantores e produtores musicais de todos os tempos.

Foi acompanhado por uma afinada Big Band, da mesma forma que sempre fizeram os grandes cantores do Jazz.
O repertório apresentou “Night And Day”, “Whitchcraft”, “Ain’t That A Kick In The Head”, “I’ve Got You Under My Skin”, “I Get A Kick Out Of You”, “Fly Me To The Moon” e a balada “My Way”.
Se você gosta do repertório do cantor Frank Sinatra, se permita conhecer uma nova voz , que tem tudo para se firmar no cenário musical.


Lavay Smith – “Miss Smith To You”

Ela é considerada como uma das divas atuais do “Swing Jazz”, com nítidas influências do Jazz e do Blues, apresentando a sonoridade encorpada dos anos 40 e 50, através de uma das vozes mais surpreendentes que ouvi nos últimos tempos.

Americana de nascimento, ela passou a adolescência nas Filipinas e atualmente está radicada em São Francisco, onde se instalou em 1989, começando a cantar nos bares locais.

É presença constante nos maiores Festivais de Jazz do planeta e suas apresentações ao vivo são sempre marcadas pela intensa emoção.

Ao ouvir sua voz é inegável a referência das grandes divas Bessie Smith, Billie Holiday, Dinah Washington, Ella Fitzgerald e Sarah Vaughan, algumas de suas referências musicais.

Este é o seu terceiro CD de carreira, lançado no ano de 2009 pelo selo Fat Note Records, ao lado da sua orquestra “Red Hot Skillet Lickers”, composta por 13 músicos excepcionais, todos com grande rodagem na música.

O repertório traz os clássicos “It Don’t Mean A Thing (If It Ain’t Got That Swing)”, “I Ain’t Got Nothin’ But The Blues”, “On The Sunny Side Of The Street”, “When The Saints Go Marching In” e mais “Deed I Do”, “Boogie Woogie (I May Be Wrong)” e “Jumpin’ In The Morning”.

Uma cantora que merece ser descoberta aqui no Brasil, pois, lá fora, tem do público, e da crítica especializada, o devido e merecido reconhecimento.

Bela voz, talento, ousadia e beleza são suas marcas registradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também