Loading...
Mídia

GAROTA DE IPANEMA

No dia 2 de agosto de 1962, Tom Jobim e Vinícius de Moraes apresentaram ao público, no Restaurante Au Bon Gourmet, em Copacabana, pela primeira vez, a música “Garota de Ipanema”, que se tornou uma das mais gravadas e executadas de todos os tempos.

Naquela noite memorável, se apresentaram, além de Tom e Vinícius, João Gilberto e Os Cariocas, interpretando várias músicas inéditas: “Só Danço Samba”, “Samba de Uma Nota Só”, “Corcovado”, “Samba da Bênção”, “Amor em Paz”, “Samba do Avião”, “O Astronauta”, “Samba da Minha Terra” e “Insensatez”. Foi a primeira e a última vez que esse time se reuniu. E este encontro marcou uma página muito importante da história da Bossa Nova.

A inspiração para a composição da música virou lenda e ganhou inúmeras versões. A mais conhecida dizia que Tom e Vinícius sempre se reuniam para conversar e compor numa mesa de bar, no Bairro de Ipanema, no antigo Bar Veloso, hoje Bar Garota de Ipanema, na esquina da Rua Montenegro, hoje Rua Vinícius de Moraes, e por ali sempre passava uma moça muito bonita, de olhos verdes, cabelos longos, 1,73 metro de altura, indo sempre em direção à praia, encantando a todos. Seu nome, Helô Pinheiro, cheia de vida, charme, beleza e vitalidade.

A tal mesa de bar existe de verdade e está lá até hoje e você pode visitar o local e ter o grande prazer de poder sentar nela, assim como eles sempre faziam. Ao fundo, na parede, a partitura original ampliada e assinada pela dupla, criando todo o clima. Eu já experimentei fazer isso e posso garantir que vale muito a pena. E não se esqueça de brindar, degustando um chope bem gelado. O ritual, seguido desta forma, fica perfeito e homenageia seus criadores e a sua bela homenageada.

O primeiro cantor que a gravou foi o Pery Ribeiro, no ano de 1963, no disco “Pery é Todo Bossa”, mas foi a gravação feita em 1964, no disco “Getz/ Gilberto”, do saxofonista Stan Getz e do violonista João Gilberto, e por puro acaso, teve a voz de Astrud Gilberto, sua mulher na época, que nunca havia gravado até então, produção de Creed Taylor para o selo Verve, que a música ganhou o mundo, definitivamente.

Na bagagem, esta histórica gravação recebeu 4 prêmios Grammy. Depois, vieram as gravações de Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Diana Krall e mais de 200 versões. Simplesmente a segunda música mais tocada em todo mundo, perdendo apenas para “Yesterday”, dos Beatles.

O compositor Tom Jobim e o poeta Vinícius de Moraes nunca imaginaram que esta música ganharia tanta notoriedade. Virou um hino que retratou o que de melhor aconteceu na fase áurea de Bossa Nova, atravessando décadas, mostrando a todos nós como uma música pode ser jovem e atual, depois de passados tantos anos, de inúmeras regravações e versões nas mais diversas línguas.
A tal “Garota de Ipanema”, sempre ela e somente ela, continua aquela menina que vem e que passa, linda, inspiradora e eterna.


“Danilo Caymmi & Amigos”

O músico Danilo Caymmi é um dos artistas mais versáteis da nossa MPB e já tem mais de 50 anos de carreira, com destaque para a sua participação na “Nova Banda”, de Tom Jobim (1984-1994), e também como contratado da TV Globo, compondo trilhas para novelas e diversas séries de sucesso da emissora.

Quando ele lançou em 2009, pelo selo Rob Digital na versão CD (com 13 faixas) ou na versão DVD (com 16 faixas), o primeiro da carreira, ao lado de seus amigos, pude comprovar as suas outras facetas artísticas: a de compositor, de produtor, de cantor e violonista, além da já conhecida grande exibição como flautista.

Nascido numa família em que a música é simplesmente tudo (o patriarca Dorival que lhe deu a primeira flauta, abriu o seu caminho e dos seus irmãos, Dori e Nana, que também seguiram os passos do pai), e afirma, categoricamente, que foi a flauta que o escolheu.

O trabalho foi concebido com muito critério e gravado em estúdio, sem a presença de público, em um único dia. Isso permitiu que todos os envolvidos estivessem focados no resultado, que superou todas as expectativas. Belos arranjos e um repertório muito bem escolhido.

Outra agradável surpresa é a presença da sua filha, Alice Caymmi, com quem divide os microfones em 4 faixas, além das participações do seu irmão Dori Caymmi, de Roberto Menescal, Fafá de Belém, Zé Renato e Cláudio Nucci.

O repertório traz as conhecidas “O Bem e o Mal”, “Nada a Perder”, “Casaco Marrom”, “Nem Eu” e “Andança” e também “Toada à Toa”, “Chega de Tarde”, “Nossa Dança” e “Rama de Nuvens”.

Seu timbre vocal grave e muito afinado é maravilhoso e inconfundível, encantando sempre as plateias por onde passa, seja no Brasil ou no exterior. Uma das pérolas da nossa MPB e uma das grandes atrações do Rio Santos Bossa Fest, alguns anos atrás.

 


“Cristo Redentor 80 anos”

Este show foi gravado no Aterro do Flamengo em 12 de outubro de 2011 e ganhou o nome de “Show da Paz”, marcando as comemorações dos 80 anos do Cristo Redentor, monumento carioca que virou o maior símbolo do Brasil e que também se tornou uma das maravilhas do mundo, merecidamente.

O espetáculo foi assistido por mais de 50 mil pessoas e trouxe no repertório as principais canções que homenagearam aquela que é conhecida como a “Cidade Maravilhosa”.
Foi lançado no mesmo ano pela EMI Music na versão CD (com 18 faixas) e em DVD (com 24 faixas), contando com um coral de 800 vozes e a participação de mais de 30 artistas que subiram ao palco, para cumprir um roteiro musical bem diversificado.

Vou dar ênfase à participação dos artistas que mais gosto, como o grupo BossaCucaNova ao lado de Roberto Menescal e Chris Delanno com a releitura de “Garota de Ipanema”, o neto de Tom, Daniel Jobim, e Miúcha com “Samba do Avião”, Stacey Kent, cantora americana de Jazz e única artista internacional convidada, ao lado de Marcos Valle e do seu marido, o saxofonista Jim Tomlinson com “Samba de Verão (So Nice)”, “Coisas do Brasil” com Leila Pinheiro, “Corcovado”, novamente com Daniel Jobim, e as surpreendentes, “Balanço Zona Sul” com Zeca Pagodinho e “O Barquinho” com Sandy.

Merece destaque também a banda formada só para o evento, composta por Julinho Teixeira nos arranjos, regência e teclados, Luciano na bateria, André Neiva no contrabaixo, José Carlos na guitarra e violão, André e Jaraguá na percussão.
Um momento histórico da nossa música, que deve ser apreciado por aqueles que gostam de boa música, seja aqui no Brasil ou em qualquer parte do mundo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também